Vídeo (trecho) de Revolátil. Clique na Tela para assistir. Disponível via YOUTUBE.COM
2006
Vídeo (CD-ROM)
 
VEJA TAMBÉM

NÓISGRANDE
Volátil
Rua Sol
Delay n.2 ou Retardo n.2
Nove(o)

Revolátil de Fábio Oliveira Nunes procura trazer a tona um espaço de não-informação em que o visitante se depara com a contemplação do tempo, aqui representado na circularidade que remete a diversas visões primitivas de desencadeamento temporal – em contraponto à linearidade em que o tempo é visto pelos ocidentais. Um eterno retorno, num ciclo infinito que perpassa a existência das coisas. Num outro sentido, o tempo onírico do sonho que é percorrido em frações irreais, distintas das horas dormidas, sempre trazido conscientemente como uma vaga lembrança.

Este trabalho retoma algumas das idéias presentes em Delay n.2 ou Retardo n.2 em torno da temporalidade e contemplação. O vídeo permanece em looping tendo o acompanhamento da Nona Sinfonia de Beethoven em toda sua extensão. Junto com Volátil (2004), trabalho presente na revista impressa Artéria 7, constitui-se num bíptico  referenciando memória e circularidade.Foi parte integrante da Revista Digital-Objeto NÓISGRANDE (CD-ROM inserido num objeto), organizada por Fábio Oliveira Nunes em 2006.

Revolátil

Sobre o trabalho Revolátil, o poeta paulistano Diniz Gonçalves Jr. através do site Desmemórias escreveu, em 2006, as seguintes palavras:

Alguns lugares criam aura representam possibilidades
e caminhos que podem ou não se concretizar, são
fantasmagorias que habitam nossa memória, nesse
trabalho vemos uma roda-gigante à noite, luzes
etéreas de grande intensidade e uma música que remete
aos espetáculos retrôs já não estamos num nível
referencial a roda-gigante vira símbolo um ciclo
contínuo que transforma  emoções, experiências,
perdas, acaso regido pelas desmesuras do “ Amor Fati”
ou seja, o destino...